sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

hush hush; hush hush

video

Confissões de um casal português!


Confissões de um casal português!




Maria, no leito de morte, decidiu confidenciar ao Manoel:

- Manoel, sabes que o nosso filho mais velho não é teu filho?

Manoel, muito tranquilo, responde:

- Meria, isto não tem problema algum...

Maria, muito intrigada com toda a calma do Manoel, indaga-lhe:

- Escuta ó Manoel!! Vê se entendes! Estou a dizer-te que o filho não é teu! Ó homem de Deus!!!

E Manoel novamente responde:

- Pois, pois... Eu entendi, ó Meria.

- Ai, Jisus!! Por que raios então tu não estás azoado e ficas tão tranquilo?! Finalmente, Manoel responde:

- Pois... Sabes ó Meria, que este filho não é tambaim teu filho?

Maria rebate:

- Como não é meu, ó homem de Deus? Se eu carreguei o infiliz na minha barriga por nove meses?!

- Meria, lembra-te quando tu estavas na meternidade e me pediste para trocar o menino, porque ele estava todo cagado?

Pois baim... Eu o troquei por um limpinho que estava ao lado.

quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

A Hora da Estrela (Clarice Lispector)


FONTE: Wikipédia


É o penúltimo romance e último livro publicado em vida pela escritora brasileira Clarice Lispector.

O romance conta a história da datilógrafa alagoana Macabéa, que migra para o Rio de Janeiro, tendo sua rotina narrada por um escritor fictício chamado Rodrigo S.M. O livro possui duas temáticas: é uma obra sobre a vida de uma retirante na cidade grande, mas também uma reflexão sobre o papel do escritor na sociedade moderna. É talvez o seu romance mais famoso, sendo adaptado para o cinema por Suzana Amaral em 1985.


Imagem



Enredo
O romance narra as desventuras de Macabéa, uma moça sonhadora e ingênua, recém-chegada do Nordeste ao Rio de Janeiro, às voltas com valores e cultura diferentes. Macabéa leva uma vida simples e sem grandes emoções. Começa a namorar Olímpico de Jesus, que não vê nela chances de ascensão social de qualquer tipo. Assim sendo, abandona-a para ficar com Glória (colega de trabalho), cujo pai era açougueiro, o que sugeria ao ambicioso nordestino a possibilidade de melhora financeira. Sentindo dores constantes, Macabéa vai ao médico e descobre que tem tuberculose, mas não conta a ninguém. Glória percebe a tristeza da colega e a aconselha a buscar consolo numa cartomante. Madame Carlota prevê um futuro feliz, que viria de um estrangeiro que ela conheceria assim que ela saísse daquela casa, homem louro com quem casaria. De certa forma, é o que acontece: ao sair da casa da cartomante, Macabéa é atropelada por um homem que dirigia um luxuoso Mercedes-Benz e acaba morrendo. Esta é a sua "hora da estrela", momento de libertação para alguém que, afinal, "vivia numa cidade toda feita contra ela".


Análise

Além da história de Macabéa, encontramos no romance a história de Rodrigo S. M., o narrador, e a descrição do processo criativo (discurso metalingüístico). Rodrigo e Macabéa não fazem parte do mesmo espaço periférico, esta por sua condição de retirante e aquele por ser visto com maus olhos pela classe média e não conseguir alcançar pessoas como Macabéa.

Toda a expressão do texto é para se explicar. Rodrigo acaba priorizando o relato dos recursos textuais a falar de Macabéa, que ironicamente só ganha papel de destaque perto da hora de sua morte. É nesse ponto que compreendemos o significado do título: A hora da estrela é a hora da nossa morte, pois, nesse momento, o ser humano deixa de ser invisível às pessoas, que percebem que ele existe apenas quando já não existe mais.

Clarice adota discurso regionalista em A hora da estrela, algo incomum em suas obras. Através da personagem Macabéa, a autora descreve uma nordestina que tenta escapar da miséria e do subdesenvolvimento, abandonando Alagoas pela possibilidade de melhores condições de vida no Rio de Janeiro. Clarice foi muitas vezes criticada por se afastar da literatura regional emergente do modernismo.[1] Em A hora da estrela, ela foge do "hermetismo" característico de suas primeiras obras e alia sua linguagem à vertente regionalista da segunda geração do modernismo brasileiro. Na época da publicação, o crítico literário Eduardo Portella falou do surgimento de uma "nova Clarice", com uma narrativa extrovertida e "o coração selvagem comprometido com a situação do Nordeste brasileiro".[1]

A hora da estrela é uma obra-prima da literatura brasileira, principalmente, pelas reflexões de Rodrigo sobre o ato de escrever, sua própria vida e a anti-heroína Macabéa.


Contexto e publicação

Clarice comentou sobre A Hora da Estrela em sua única entrevista televisionada, concedida em fevereiro de 1977 ao reporter Júlio Lerner para a TV Cultura, de São Paulo. Na entrevista, ela menciona que acabara de completar um livro com "treze nomes, treze títulos", embora ela tenha se recusado a citá-los. Ela diz, que o livro é "a história de uma moça, tão pobre que só comia cachorro quente. Mas a história não é isso, é sobre uma inocência pisada, de uma miséria anônima." [2][3] Na mesma entrevista, Clarice diz que usou como referência para Macabéa a sua própria infância no nordeste brasileiro, além de uma visita a um aterro onde nordestinos se reuniam em São Cristóvão. Ela diz ter sido neste aterro que ela capturou "o ar meio perdido" do nordestino na cidade do Rio de Janeiro.[2]cartomante. Na época, ela imaginou como "seria engraçado" se na saída, ela fosse atropelada por um táxi depois de ouvir todas coisas boas que a cartomante previra.[2] Outra inspiração para a trama do livro foi uma visita que Clarice fez a uma

A novela foi escrita à mão em diversos fragmentos de papel, a partir dos quais Lispector, com a ajuda da sua secretária Olga Borelli, compôs a versão final do romance.[4] O livro foi publicado em 26 de outubro de 1977, pouco antes da autora ingressar no hospital do INPS da Lagoa, no Rio de Janeiro.[5]


Referências
  • a b Vieira, Nelson. "Jewish Voices in Brazilian Literature: A Prophetic Discourse of Alterity", Pág 111-112, University Press of Florida, 1995 ISBN 0-8130-1418-2, ISBN 978-0-8130-1418-0
  • a b c Lerner, Júlio. Entrevista com Clarice Lispector, televisionado originalmente na TV Cultura, filmado em fevereiro de 1977.
  • Esta entrevista está disponível na internet, no YouTube e em outras fontes. Dezembro de 2008
  • Cadernos de Literatura Brasileira : Clarice Lispector. Rio de Janeiro: Instituto Moreira Salles, 2004.
  • Miguez, Cristina. "A morte de Clarice Lispector". Folha de São Paulo, Caderno Ilustrada. 10 de dezembro de 1977. (página da notícia visitada em 30 de dezembro de 2008)

DESEJO

Insano é meu pensamento a teu respeito e ardente é o meu desejo de apertar-te em minha mão,numa sede de vingança incontestável pelo que me fizeste ontem.

A noite era quente e calma, e eu estava em minha cama quando, sorrateiramente, te aproximaste.

Encostaste o teu corpo sem roupa no meu corpo nu, sem o mínimo pudor.

Percebendo minha aparente indiferença, aconchegaste-te a mim e mordeste-me sem escrúpulos até nos mais íntimos lugares.

Eu adormeci.

Hoje, quando acordei, procurei-te numa ânsia ardente, mas em vão.

Deixaste em meu corpo e no lençol provas irrefutáveis do que entre nós ocorreu durante a noite.

Esta noite recolho-me mais cedo para, na mesma cama, te esperar.

Quando chegares, quero te agarrar com avidez e força.

Quero te apertar com todas as forças de minhas mãos.

Não haverá parte do teu corpo em que meus dedos não passarão.

Só descansarei quando vir sair o sangue quente de teu corpo.

Só assim, livrar-me-ei de ti,

pernilongo filho duma p...

A Cor da Moldura





(imagem Google)






A Cor Da Moldura


by Robério Matos



Não pense que
não vejo
só por ser cego;
que, sendo cego,
tudo é escuro,
quando, na verdade,
vai depender da
"Cor da Moldura".

Se a moldura,
por si só, é escura,
então continuarei cego,
porém "enxergando"
tudo claro...

O Amor que me Faz Falta

In Memoriam


by Robério Matos


Pai, perdoa-me por molestar a tua paz.
Por permitir-me quebrantar a serenidade
Que tu não experienciaste
Enquanto o teu espírito emprestava
um corpo Impuro e vulnerável como o meu.

Não te estorvaria pai, se dantes não houveste
Imiscuído em meus nebulosos sonhos,
Insistindo em murmúrios que transcendem
A minha vil percepção.

Ah! Pai...

Frustra-me contentar-me em solilóquios
Ou no apelo a imaginações que remontam
A vagas e sombrias reminiscências...
Custa-me perscrutar o passado
E identificar apenas parcos momentos
De júbilo em nossas relações.

Propicia-me, pai, então, um refrigério
Para o meu tormento e reflui do teu deleite
Para abrandar a minh'alma que, agora,
Não pode ascender-te.

A vida faz sentido?


by Robério Matos


O sentido nos faz bem e a sua falta
nos deprime e angustia.

Mas afirmaria - tão-somente sob a ótica
de doutrinas ou filosofias
que crêem na imortalidade da alma
e reencarnação do espírito
que, não fossem essas,
a vida não faria sentido algum.

Ainda que o "morto"
tivesse não apenas vivenciado,
mas vivificado a sua vida;
dedicando-a ao mais nobre
dos objetivos e princípios;
conduzindo-a sobre os trilhos da retidão,
nobreza, altruísmo,
mesmo assim, insisto: ela não faria sentido algum,
simplesmente por que o "de cujos" está morto.
"Foi-se". Acabou-se.

Entrou em estado de decomposição,
apodreceu e foi comido pelos vermes...
E a alma/espírito perdeu a sua identidade
e individualidade
ao fundir-se / misturar-se com uma imensa nuvem
de outras "almas-estoque" (...).

Nesse sentido, cadê O Sentido?

Paradoxos




  (imagem Google)


by Robério Matos


Vagando nos vales das sombras, sem sombra
Vivendo os prazeres da vida, sem vida
Fervendo a alma forte, ferida
Com o calor do corpo, em chamas.

Cavalgando no dorso do vento, sem sela
Gritando, com vigor, em socorro
Morrendo de dor, não morro
E vivo! Eu vivo a vida sem ela.

Correndo, no andar sinto que dói
Sofrendo, sonho o sonho que amo
Dormindo, o sono que não constrói

O apelo, o clamor que clamo
Ainda quando a indiferença destrói
O que reconstruo no amor, no ódio, amando...

A Cadeia


by Robério Matos



Inspiro emoções
Que processam pensamentos
Que elaboram palavras
Que metabolizam reações
Que desencadeiam sentimentos
Que geram atitudes
Que modulam comportamentos
Que podem azeitar indulgências
Ou engessar ressentimentos.

Inspiro amenidades
Para resignar-me com a Vida.
Expiro impropérios
Para amaldiçoar a Morte.

Amar-se é Essencial


by Robério Matos


É preciso abluir, por catarse,
a indiferença e frieza d'alma.
Pois se penso, sinto;
se sinto, faço
e se faço, vivo!
E assim introjeto no intimo do ser
amor e serenidade.

Todavia, se amar é importante,
amar-se é essencial.

Importa, ainda, compreender que
sem amar ao eu do palco
jamais amaremos ao eu da platéia.

Sou o Vento. Sou a Luz


(imagem GOOGLE)

 


by Robério Matos


Eu viajo pelos mares
caminho sobre as ondas vôo sobre as nuvens
corro ao largo dos córregos
nado nas correntezas dos rios
penetro nas florestas virgens
empurro embarcações
sou veloz como o leopardo.
Eu sou o vento!

Sou mais ágil que o som.
De passagem pela madrugada,
abro os olhos do alvorecer.
Sou filha do sol
e sobre a terra reflito
seus raios embraseados.
Sou nada e também sou tudo:
nada, quando enclausurada
ou asfixiada num casulo.
Tudo, quando acesa
uma singela centelha.
Não conheço a treva
porém, e ironicamente,
dela dependo para viver...
Eu sou a luz!

Momento

Momento


by Robério Matos



Sou o meu momento
Uno, impermamente
Pessoal e inamovível.

Comigo vivo e morro
Cada um seu fragmento
Como numa onda
Que se afigura sutil
Que suave faz sorrir.

Que também é frágil
Turbulenta, quebradiça
E em vagas enfurecidas
Me sacode e atordoa
Me põe de ponta-cabeça
E me faz chorar.

Sou o meu momento
Inexplicável, incomum
Se ora me faz tropeçar
Azeita os meus passos
Alicerça o destino
E apruma meu caminhar.

Que afasta os pesadelos
Com o sino da ternura
Que deita óleo na chama
De brasas já adormecidas
Reacendendo a esperança
De um outro entardecer
Na fé de um bom tempo
De um novo alvorecer.

Sou o meu momento
De instantes atrás
Do agora, presente fugaz
Do depois, futuro
Do futuro-eterno-momento
Futuro... Outro caminhar...

Viva 2011!

"Está nascendo um novo tempo... Sinta cada hora, cada minuto, cada segundo, algo renascer dentro de você,e que os desafios da vida são para o nosso crescimento...

Sinta a esperança bater dentro do seu coração e que a felicidade desabroche em cada amanhecer para quem planta o amor..."

Acredite no amor que existe no seu âmago e entregue-se à paz, valorizando-se e vivificando-se na sua fé, nas pessoas e na vida.

Que a paz torne a vida mais digna, mais feliz, com harmonia e prosperidade".


Viva 2011!


Robério Matos

Suicídio bem divertido


(*)

Foi encontrada no bolso de um cadáver, quando se preparava para a autópsia, a seguinte carta:

"Senhor Delegado: Suicidei-me!
Não culpe ninguém pela minha sorte. Deixei esta vida porque um dia a mais que vivesse acabaria por morrer louco.

Eu explico-lhe Doutor: tive a desdita de me casar com uma viúva, a qual tinha uma filha – se soubesse isto jamais teria casado.

Meu pai, para minha desgraça, era viúvo e quis a fatalidade que ele se enamorasse e casasse com a filha da minha mulher.

Resultou daí que a minha mulher se tornou sogra do meu pai. A minha enteada ficou a ser minha mãe e o meu pai ao mesmo tempo meu genro.

Após algum tempo, a minha filha pôs no mundo uma criança que veio a ser meu irmão, porém neto da minha mulher; que fiquei a ser avô do meu irmão.

Com o decorrer do tempo, a minha mulher pôs também no mundo um menino que, como irmão da minha mãe, era cunhado de meu pai e tio do meu filho,
passando a minha mulher a ser nora da própria filha.

Eu, Senhor Delegado, fiquei a ser pai da minha mãe, tornando-me irmão dos meus filhos; a minha mulher ficou a ser minha avó, já que é mãe da minha mãe.
Assim, acabei sendo avô de mim mesmo.

Portanto, antes que a coisa se complicasse mais, resolvi acabar com tudo de uma vez."


(*) Texto transcrito de um e-mail que me enviaram em 29/07/2001.

A Vida é Feita de Escolhas

Joel era o tipo do cara que você gostaria de conhecer. Ele estava sempre de bom humor e sempre tinha algo de positivo para dizer. Se alguém lhe perguntasse como ele estava, a resposta seria logo:

* Se melhorar, estraga.


Ele era um gerente especial, em um restaurante, pois seus garçons o seguiam de restaurante em restaurante apenas pelas suas atitudes. Ele era um motivador nato. Se um colaborador estava tendo um dia ruim, Joel estava sempre dizendo como ver o lado positivo da situação.
Fiquei tão curioso com seu estilo de vida que um dia lhe perguntei:


* Você não pode ser uma pessoa tão positiva todo o tempo. Como você faz isso?
Ele me respondeu:


* A cada manhã, ao acordar, digo para mim mesmo: Joel, você tem duas escolhas hoje. Pode ficar de bom humor ou de mau humor. Eu escolho ficar de bom humor. Cada vez que algo de ruim acontece, posso escolher bancar a vítima ou aprender alguma coisa com o ocorrido.
Eu escolho aprender algo. Toda vez que alguém reclamar posso escolher aceitar a reclamação ou mostrar o lado positivo da vida.


* Certo, mas não é fácil - argumentei.


* É fácil sim, disse-me Joel. A vida é feita de escolhas. Quando você examina a fundo, toda situação sempre oferece escolha. Você escolhe como reagir às situações. Você escolhe como as pessoas afetarão o seu humor. É sua a escolha de como viver a sua vida.


Eu pensei sobre o que Joel disse e sempre lembrava dele quando fazia uma escolha.


Anos mais tarde, soube que Joel cometera um erro, deixando a porta de serviço aberta pela manhã. Foi rendido por assaltantes. Dominado, enquanto tentava abrir o cofre, sua mão, tremendo pelo nervosismo, desfez a combinação do segredo. Os ladrões entraram em pânico e atiraram nele. Por sorte ele foi encontrado a tempo de ser socorrido e levado para um hospital. Depois de 18 horas de cirurgia e semanas de tratamento intensivo, teve alta ainda com fragmentos de balas alojadas em seu corpo. Encontrei Joel mais ou menos por acaso. Quando lhe perguntei como estava, respondeu:


* Se melhorar estraga.


Contou-me o que havia acontecido, perguntando:
* Quer ver minhas cicatrizes?


Recusei ver seus antigos ferimentos, mas perguntei-lhe o que havia passado em sua mente na ocasião do assalto.


* A primeira coisa que pensei foi que deveria ter trancado a porta de trás, respondeu. Então, deitado no chão, ensangüentado, lembrei que tinha duas escolhas: poderia viver ou morrer. Escolhi viver.


* Você não estava com medo? perguntei.


* Os para-médicos foram ótimos.Eles me diziam que tudo ia dar certo e que eu ia ficar bom. Mas quando entrei na sala de emergência e vi a expressão dos médicos e enfermeiras, fiquei apavorado. Em seus lábios eu lia: "esse ai já era". Decidi então que tinha que fazer algo.


* O que fez, perguntei?


* Bem, havia uma enfermeira que fazia muitas perguntas. Perguntou-me se eu era alérgico a alguma coisa. Eu respondi: "sim". Todos pararam para ouvir a minha resposta. Tomei fôlego e gritei:


"Sou alérgico a balas!"· Entre as risadas, lhes disse:


"Eu estou escolhendo viver, operem-me como um ser vivo, não como morto."


Joel sobreviveu graças à persistência dos médicos, mas também graças à sua atitude. Aprendi que todo dia temos a opção de viver plenamente. Afinal de contas, "ATITUDE É TUDO".


Pense nos seus momentos


Há momentos em que tudo parece estar contra nós.
Momentos que achamos que jamais irão passar.
Momentos em que a dor aperta o peito, que a solidão é nossa companheira,
que a saudade é nossa aflição.
Mas tudo na vida passa.


Passam os dias, passam as horas, passam os anos.
Aí percebemos que são tantos os momentos felizes que poderíamos ter desfrutado, mas que demos valor apenas aos momentos de dor e sofrimento.


De repente, nos esquecemos daquele momento em que uma criança, um amigo nos sorriu.
Esquecemo-nos das nossas conquistas e fazemos questão de chorar por algumas derrotas.
Olhamos ao nosso redor e vemos apenas os momentos tristes, os amores que se foram, os amigos que achamos que nos magoaram, mas que apenas estavam num dia ruim.


Não percebemos que há felicidade num simples caminhar, em poder acordar todos os dias e olhar o sol; sentir o cheiro do café.

Não percebemos que a felicidade é feita de pequenos gestos, de momentos que nos rodeiam o tempo todo.

Não percebemos o quanto é maravilho poder abraçar um amigo, dar um beijo na mãe, no filho, no irmão; e aí passamos tantos momentos a nos lamentar, e lamentando deixamos de apreciar o quanto a vida é plena de momentos maravilhosos que poderíamos transformar na duração e toda nossa existência.


Às vezes tudo arrasa, tudo machuca, nos faz sofrer.

Mas saiba que...É importantíssimo saber que cada dor, cada decepção é incrivelmente necessária para nosso amadurecimento. Apesar de difícil, superar é importante, pois se cair é humano, levantar-se é divino.

MUDANÇA (Clarice Lispector)

(Clarice Lispector)



Mude, mas comece devagar, porque a direção é mais importante que a velocidade.

Sente-se em outra cadeira, no outro lado da mesa. Mais tarde mude de mesa.


Quando sair, procure andar pelo outro lado da rua.


Depois, mude de caminho, ande por outras ruas, calmamente, observando
com atenção os lugares por onde você passa.

Tome outros ônibus. Mude por uns tempos o estilo das roupas.


Dê os seus sapatos velhos. Procure andar descalço alguns dias.


Tire uma tarde inteira para passear livremente na praia, ou no parque
e ouvir o canto dos passarinhos.

Veja o mundo de outras perspectivas.

Abra e feche as gavetas e portas com a mão esquerda.


Durma no outro lado da cama.


Assista a outros programas de tv, compre outros jornais, leia outros livros.


Não faça do hábito um estilo de vida. Ame a novidade.


Durma mais tarde. Durma mais cedo.


Aprenda uma palavra nova por dia numa outra língua. Corrija a postura.


Coma um pouco menos; escolha comidas diferentes, novos temperos e cores.


Tente o novo todo dia.


O novo lado, o novo método, o novo sabor, o novo jeito, o novo prazer, o novo amor, a nova vida. Tente.


Busque novos amigos. Faça novas relações.


Almoce em outros locais, vá a outros restaurantes, tome outro tipo de bebida, compre pão em outra padaria.


Almoce mais cedo, jante mais tarde ou vice-versa.


Escolha outra marca de sabonete, outro creme dental...Tome banho em novos horários.


Use canetas de outras cores. Vá passear em outros lugares.


Ame muito, cada vez mais...


Troque de bolsa, de carteira, de malas; compre novos óculos, escreva outras poesias.

Jogue os velhos relógios, quebre delicadamente esses horrorosos despertadores. Abra conta em outro banco.Vá a outros cinemas, cabeleireiros, teatros; visite novos museus.


Mude. Lembre-se de que a Vida é uma só...


Se você não encontrar razões para ser livre, invente-as. Seja criativo. Aproveite para fazer uma viagem despretensiosa, longa, se possível sem destino.

Experimente coisas novas.


Mude, de novo. Experimente outra vez.


Você certamente conhecerá coisas melhores e coisas piores do que as já conhecidas, mas não é isso que importa.


O mais importante é a mudança, o movimento, o dinamismo, a energia.


Só o que está morto não muda! Repito por pura alegria de viver:


a salvação é pelo risco, sem o qual a vida não vale a pena!

REFLEXÃO-2

REFLEXÃO


(Henfil)


E se não houver frutos, valeu a beleza das flores; Se não houver flores, valeu a sombra das folhas, e se não houver folhas, valeu a intenção das sementes.

Bula do homem

Bula do homem



Indicações:

Homem é recomendado para mulheres portadoras de SMS (Síndrome da Mulher Sozinha). Homem é eficaz no controle do desânimo, da ansiedade, irritabilidade, mau-humor, insônia, etc.

Posologia e Modo de Usar:

Homem deve ser usado três vezes por semana. Não desaparecendo os sintomas, aumente a dosagem ou procure outro. Homem é apropriado para uso externo ou interno, dependendo da necessidade da mulher.

Precauções:

Mantenha longe do alcance de amigas (vizinhas solitárias, loiras e/ou morenas sorridentes, etc.). Manuseie com cuidado, pois Homem explode sob pressão, principalmente quando associado a álcool etílico. É desaconselhável o uso, imediatamente após as refeições.

Apresentação:

Mini, Max, Super, Mega, Plus ou Super Mega Max Plus (ui!!!).

Conduta em Superdosagens:

O uso excessivo de Homem pode produzir dores abdominais, entorses, contraturas lombares, assim como ardor na região pélvica.

Recomenda-se banho de assento, repouso, e contar vantagem para a melhor amiga!

Efeitos Colaterais:

O uso inadequado de Homem pode acarretar gravidez e acessos de ciúmes. O uso concomitante de produtos da mesma espécie pode causar enjôo e fadiga crônica.

Prazo de Validade:

O número do lote e a data de fabricação encontram-se na cédula de identidade e no cartão de crédito.

Composição:

Água, tecidos orgânicos, ferro e vitaminas do Complexo 'P' (ainda indefinido).

Atenção:

Não contém CEMANCOL. Cuidado!!! Existem no mercado algumas marcas falsificadas, a embalagem é de excelente qualidade, mas quando desembrulhado, verifica-se que não fará efeito nenhum, muito pelo contrário, o efeito é totalmente oposto, ou seja, além de não serem eficazes no tratamento podem agravar os sintomas.

Instruções Para O Perfeito Funcionamento:

1.. Ao abrir a embalagem, faça uma cara neutra, não se mostre muito empolgada com o produto. Se ficar muito seguro de si, o Homem não funciona muito bem, vive dando defeito.

2. Guarde em lugar fresco (fedorento não dá) e seguro (pois é frágil).

3. Deixe fora do alcance de amigas...

4. Para ligar basta uns beijinhos no pescoço pela manhã; para desligar basta uma noite de amor, ele dorme como uma pedra e nem dá boa noite (falta de educação é defeito de fábrica).

5. Programe-o para assinar talões de cheque sem reclamar.

6. Carregue as baterias três vezes por dia: café, almoço e jantar (Mais que isso provoca pneuzinhos indesejáveis).

7. Em caso de defeito, algumas táticas costumam dar certo: esconda o controle remoto da televisão. Se a falha insistir, corte o futebol com os amigos no final de semana e o chopp.


Pra finalizar:

Homem não tem garantia de fábrica e todas as espécies são sujeitas a defeitos. A solução é ir trocando até que se ache o modelo ideal, contudo, recentes pesquisas informam que esse, não foi INVENTADO ainda...

Formigas

O que é ser feliz?


Você pode ter defeitos, viver ansioso e ficar irritado algumas vezes, mas não esqueça de que sua vida é a maior empresa do mundo e você pode evitar que ela vá a falência. 


Há muitas pessoas que precisam, admiram e torcem por você.

Gostaria que você sempre se lembrasse de que ser feliz não é ter um céu sem tempestade, caminhos sem acidentes, trabalhos sem fadigas, relacionamentos sem desilusões.


Ser feliz é encontrar força no perdão, esperança nas batalhas, segurança no palco do medo, amor nos desencontros.

Ser feliz não é apenas valorizar o sorriso, mas refletir sobre a tristeza.
Não é apenas comemorar o sucesso, mas aprender lições nos fracassos.
Não é apenas ter júbilo nos aplausos, mas encontrar alegria no anonimato.

Ser feliz é reconhecer que vale a pena viver, apesar de todos os desafios, incompreensões e períodos de crise.

Ser feliz é deixar de ser vítima dos problemas e se tornar um autor da própria história.

É atravessar desertos, mas ser capaz de encontrar um oásis no recôndito da sua alma.

Ser feliz é não ter medo dos próprios sentimentos.

É saber falar de si mesmo.
É ter coragem para ouvir um "não".
É ter segurança para receber uma crítica, mesmo que injusta.
É ter maturidade para falar: "eu errei".
É ter ousadia para dizer: "me perdoe".
É ter sensibilidade para expressar: "eu preciso de você".
É ter capacidade de dizer "eu te amo".

Quando você errar o caminho, recomece.
Pois assim, você descobrirá que ser feliz não é ter uma vida perfeita.
Mas usar as lágrimas para irrigar a tolerância.
Usar as pedras para refinar a paciência.

Usar as falhas para lapidar o prazer.

Usar os obstáculos para abrir as janelas da inteligência.

Jamais desista de si mesmo.
Jamais desista das pessoas que você ama.
Ser feliz é levantar cada manhã e agradecer pelo milagre da vida.

O mundo vive em você

"Você pode dizer adeus a sua família e a seus amigos e afastar-se quilômetros e quilômetros e, ao mesmo tempo,

carregá-los em seu coração, em sua mente, em seu estômago, pois você não apenas vive no mundo,

mas o mundo vive em você."

Auto-aceitação e reforma íntima

A desestima a nós próprios nasce quando não nos aceitamos como somos.

Somente a auto-aceitação nos leva a sentir plena segurança ante os fatos e ocorrências do cotidiano,
ainda que os indivíduos ao nosso redor não entendam nossas melhores intenções.

Auto-aceitação é aceitar o que somos e como somos. Não a confundamos com uma "rendição conformada", e que nada mais importa.

De fato, acontece que, ao aceitar-nos, inicia-se o fim da nossa rivalidade com nós mesmos.

A partir disso, ficamos do lado da nossa realidade em vez de combatê-la.


(Hammed – Renovando atitudes.)


Lembre-se sempre de que mesmo aquilo que você considera seu maior defeito é parte de seu ser e também foi criado por Deus.

Fazemos escolhas negativas por ser parte da natureza humana. Todavia, se nos punimos por elas,
acabaremos transformando essa atitude em um padrão que levará muito tempo para ser modificado,
deixando de abrir espaço para escolhas positivas.

A inteligência que nos criou não nos odeia por cometermos erros ou perdermos a paciência uma vez ou outra.

É preciso harmonizarmo-nos com a vida e com o Universo (e Deus faz parte desse universo), para o nosso crescimento interior:

a) Criar o hábito de vigiar os próprios pensamentos, sentimentos e emoções; observá-los e analisá-los para ver se nos servem ou não;

b) Aprendermos a desfazer as idéias, pensamentos e sentimentos imprestáveis, substituindo-os por outros de melhor qualidade;

c) Despertar a luz que há em nosso interior através de leituras e conversas de caráter nobre e elevado, usando também, por exemplo, de auto-sugestões (ordens ou induções mentais):

I. quero que minha mente desenvolva idéias e pensamentos positivos de paz, alegria, saúde, otimismo, fraternidade e fé;

II. quero ser uma pessoa benéfica onde estiver, etc, etc.

Um texto para reflexão



"Esperamos demais para fazer o que é preciso, num mundo que só dá um dia de cada vez, sem nenhuma garantia do amanhã. Enquanto lamentamos que a vida é curta, agimos como se tivéssemos a nossa disposição um estoque inesgotável de tempo".

Esperamos demais para dizer palavras de perdão que devem ser ditas, para pôr de lado os rancores que devem ser expulsos, para expressar gratidão, para dar ânimo, para oferecer consolo; para dar carinho aos nossos pais, filhos, irmãos e amigos. Quem sabe quão logo será tarde demais?


Esperamos demais para dar um sorriso, passear de braços dados, dar o abraço que faltou e aquele beijo molhado, enriquecer nosso espírito e expandir nossa alma; para enunciar as preces que estão esperando para serem cumpridas, para demonstrar o amor que, talvez, não seja mais necessário amanhã.


Esperamos demais nos bastidores, quando a vida nos dá um papel para desempenhar no palco. Deus também está esperando, esperando que paremos de esperar, esperando que comecemos a fazer agora tudo aquilo para o qual este dia e esta vida foram dados.


Paremos de Esperar, o tempo pode se esgotar!"

Enquanto houver amizade...

Pode ser que um dia deixemos de nos falar...
Mas, enquanto houver amizade, faremos as pazes de novo.

Pode ser que um dia o tempo passe...
Mas, se a amizade permanecer, um do outro há de se lembrar.

Pode ser que um dia nos afastemos...
Mas, se formos amigos de verdade, a amizade nos reaproximará.

Pode ser que um dia não mais existamos...
Mas, se ainda sobrar amizade, nasceremos de novo, um para o outro.

Pode ser que um dia tudo acabe...
Mas, com a amizade construiremos tudo novamente,
cada vez de forma diferente, sendo único e inesquecível cada momento que juntos viveremos e nos lembraremos para sempre.

Há duas formas para viver sua vida:
Uma é acreditar que não existe milagre.
A outra é acreditar que todas as coisas são um milagre.



Albert Einstein

O nosso "próximo"


by Robério Matos


O próximo nem sempre é como a gente quer...

Sobra felicidade no semblante (e na aparência...).

Falta carinho, aconchego, fraternidade, solidariedade, "um alô" e... cumplicidade.

Sobram sorrisos e gestos. Quantos gestos! (...)

Faltam sentimentos e, acima de tudo, empatia.

Às vezes o nosso próximo está tão longe que, para enxergá-lo, precisamos tomar

emprestadas as lentes de um "próximo" mais próximo...

Outra saída seria "subirmos" até o alto da sua imponência, ou esperar que ele desça até o nível
do nosso calabouço.

 

(também os cadáveres que tu esquartejas o são.Também as pessoas que tu julgas amar o são. São pó e apenas pó).

Vivificar-se


by Robério Matos
 
Disse Descartes, filósofo francês (1596-1650): "Eu sou uma máquina que pensa".


Uma máquina, mesmo "pensante", não dá vida à existência.


Duas coisas são fundamentais na vida, entretanto: a primeira não é "estar vivo", mas sentir-se vivo.
A outra: apenas "sentir-se vivo", necessariamente não significa dar vida à existência. Vivificar-se é, então, a segunda.

Oito dicas que ajudam a lidar com a pressão e o estresse

FONTE:


Saber lidar com as outras pessoas nem sempre é tarefa fácil


A insegurança pode colaborar na piora da situação, pois leva o indivíduo a se esforçar constantemente em busca da satisfação do outro.
 
1- Cuidado com cobranças excessivas: Fique atento para não se cobrar excessivamente por algo que já está sendo cobrado por terceiros. Diante muita cobrança, você poderá sentir desânimo, falta de força e de estimulo para cumprir o que foi delegado.

2- Evite idealizar soluções: Diante de um problema ou um prazo a ser cumprido, analise de forma concreta e lógica a melhor forma de resolvê-lo e parta para a ação. Ao ficar idealizando soluções você pode "ficar preso" a cobranças e soluções irreais a respeito do que deve ser feito e não conseguir sair da ideia para partir para a ação.


3- Analise a importância do outro: Existem pessoas que sempre têm atitudes ou palavras que nos desagradam e irritam. Para lidar com elas, pense qual o tamanho da importância que essa pessoa tem na sua vida e se vale a pena gastar o seu tempo e se estressar com o que foi dito. Pense que naquele momento pode haver outras questões mais importantes para esquentar a cabeça do que um comentário maldoso.

4- Adquirir maior segurança: Pessoas inseguras sofrem muito quando pressionadas, pois se questionam o tempo todo se vão dar conta daquilo ou se tem condições de resolver o problema. Se você está em determinada função é porque tem capacidade para tal.


5- Analise e assuma a sua responsabilidade pelos atos: Diante de um conflito reavalie as suas atitudes e tente perceber se não teve alguma atitude que o desencadeou. Ao perceber a situação converse com as pessoas envolvidas e peça desculpas.

6- Cuide da saúde: procure perceber se o seu corpo está mostrando sinais físicos de cansaço e cobrança, como dor de cabeça, insônia, dor de estomago, irritabilidade, ganho de peso, dificuldade de concentração e etc. Caso você não esteja se sentindo bem, procure primeiramente um médico e depois um psicólogo.



Saiba Mais




7- Tenha momentos de relaxamento e prazer: É importante ter momentos que nos proporcionam relaxar e "desligar" um pouco dos acontecimentos para relaxar a mente e o corpo. Outro ponto positivo é que quando nos "afastamos" dos problemas, conseguimos vê-los por outra ótica e encontrar novas soluções.

8- Se respeite: Todos nós temos limites. Ninguém é tão forte a ponto de aguentar tudo e nem tão fraco a ponto de não dar conta de nada. Portanto, se existem situações que estão além do seu limite, reconheça e peça ajuda para as pessoas próximas.


Este conteúdo ajudou você a viver com mais qualidade? ImagemImagem

Obrigado por responder!


Conteúdo por:


Imagem Milena Lhano
Especialidade: Terapia floral e fitoterapia

Avaliação do especialista Imagem 1254 votos Imagem
Veja o perfil

Liberdade


by Robério Matos


Que só se nota
Quando não se tem.

Quando se tem
Não se vê:
Sente-se a sua falta,
Ainda...

Cuja ausência asfixia
E tira o sentido
Existencial.

Aquela perda
Exterior
Que por si só
Não se explica;

O vazio que nada
É capaz de encher.

Aquela "sede"
Interior
Que água alguma
Pode matar
E nem a auto-estima
Pode preencher.

O espanto;
A incompreensão
Quando se é jogado
Abruptamente em
Gaiola fria e áspera.

O "não"!
Mormente quando
Aguarda-se um "sim".

O "sim", quando
"Louco" para ficar,
Dizem-te: "podes ir"...

Machuca Ler-te Sem Ter-te

by Robério Matos



Versos tantos, acerca do ser
em um perene e profuso devaneio
qual brumas que vêm e vão
d'uma valsa que machuca ver.


De um tango de Carlos Gardel
Onde rostos se cruzam em ritos
que me induzem ao choro a granel
e abafam súplicas que mascaram
os meus silentes e inaudíveis gritos.


Se contemplo e absorvo tuas melodias
que marcham perfiladas ao teu buscar
temo que lá outrem possa te encontrar,
em um anseio que me tortura
seja no crepuscular de uma bela noite
ou no fim de outro maldito dia...

Robério Matos


José Saramago revê o Velho Testamento sob ótica irônica e ferina em "Caim"

FONTE:

MARTA BARBOSA

Colaboração para o UOL

Em "A Viagem do Elefante", lançado em 2008, José Saramago já demonstrou estar em ótima forma literária, após superar uma doença respiratória gravíssima e ser desacreditado por médicos e leitores. Agora, com "Caim" (lançamento da Companhia das Letras), o escritor português prova ser capaz de manter o ritmo. Em que pesem as comparações com "O Evangelho Segundo Jesus Cristo", considerada uma de suas obras primordiais, "Caim" acrescenta muito à biografia do vencedor do Nobel de Literatura de 1998.


  • Imagem

  • Em "Caim", escritor José Saramago revê história do Velho Testamento
Comparar o novo livro de Saramago com "O Evangelho Segundo Jesus Cristo" é natural. Nos dois trabalhos, o autor português dá sua interpretação da Bíblia. Primeiro, foi o Novo Testamento. Agora, é sobre o Antigo Testamento que Saramago exercita as possibilidades narrativas. Reconta, ao seu modo irônico e com um requintado humor, histórias que vão do jardim do Éden ao episódio do dilúvio.

Começa com a expulsão de Adão e Eva do paraíso. E desde já fica claro que o Deus de Saramago não é nenhum velhinho benevolente a passar a mão carinhosa na cabeça de seus filhos. Ao contrário, o que se vê é um Deus teimoso, cheio de caprichos e disposto a qualquer absurdo como prova de fé e obediência de suas criaturas.

Caim, o primogênito de Adão e Eva que matou o irmão Abel, é o personagem central da trama. O assassinato do irmão é o ponto de partida desse anti-herói que, com boa retórica e uma capacidade de interpretar os fatos que muito se aproxima do próprio Saramago, consegue que o todo-poderoso reconheça sua parcela de responsabilidade no impulso que o levou a matar Abel.

Diante do corpo ensanguentado e coberto de moscas de Abel, Caim e Deus travam uma disputa verbal deliciosa de se testemunhar. E assim segue ao longo de todo livro: criador e criatura em pé de guerra, numa peleja em que o que está em jogo é nada menos que a humanidade.

"Matei abel porque não podia matar-te a ti, pela intenção estás morto", diz Caim, ao que responde Deus: "Compreendo o que queres dizer, mas a morte está vedada aos deuses". Numa espécie de acordo de recompensa e castigo, Caim é marcado na testa e condenado a andar "errante e perdido pelo mundo" até o fim de seus dias - o que não será logo, já que aquela marca é o sinal de que ninguém o poderá matar.

Ali começa a longa jornada de Caim, que passa do presente ao futuro, testemunha fatos que ainda vão acontecer, volta ao passado e garante um tempo literário ágil e moderno. Sua primeira parada (também a mais longa e marcante de sua interminável trajetória) é na terra de nod, uma cidade em construção. Ali, Caim vira pisador de barro, é elevado a porteiro do quarto da dona que governa tudo aquilo e acaba como amante da dona do lugar, Lilith.

Mas, como é seu destino, Lilith fica para trás, e Caim retoma sua interminável viagem como testemunha das obras e do poder sufocante de Deus. Vê a destruição de Sodoma e Gomorra, o assalto a Jericó, conhece Abraão a quem Deus ordena o sacrifício do próprio filho, participa da construção da arca que salvará a humanidade do dilúvio, junto a Noé e sua família.

Dotado de um sombrio pessimismo de quem é condenado a ver o inenarrável, Caim encontra uma maneira de punir a divindade que odeia. Aproveita um descuido de confiança do dono do mundo e se vinga à altura daquele que, só por ser Deus, governa "a vida íntima dos seus crentes, estabelecendo regras, proibições, interditos e outras patranhas do mesmo calibre".

Narrativa
Como já de costume, Saramago surpreende em "Caim" com sua prosa moderna, musical, quase sem pontos finais. Os nomes próprios não têm iniciais maiúsculas, e os diálogos estão separados por vírgulas - o intervalo breve que garante agilidade ao texto.

Mas o que fica mesmo de "Caim", e faz a gente ler economizando as páginas, com vontade que não chegue a número 172, é a incrível capacidade de Saramago de fazer de uma velha uma nova história. De recontar com encanto o que todo mundo já conhece, mas de outro jeito. Sem perder, claro, sua cruel veia irônica, nem seu talento de expressar com humor negro uma realidade.


"CAIM"
Autor:
José Saramago
Editora: Companhia das Letras
172 páginas

Insensatez


by Robério Matos

Sou refém
Da câmera fotográfica
Que a cada flash
Revela minha insana depressão;

Da minha boa vontade
Inexpressiva e que atrasa
O meu penoso caminhar;

Da promiscuidade que engessou
O meu espírito e se apossou
Do compasso do meu humor
Ante as já freqüentes recidivas.

Enfim, refém sou de mim próprio;
Do "eu" impróprio e da
Minha inadequada insensatez.

Um Reflexo ou O Nada


by Robério Matos

Uma sombra
De um
Ser humano,
Em pé, estático.

A silhueta de
Um espantalho,
Imóvel,
Indiferente,
Que sequer existira
De fato.

A cena:
Quem a observara,
Então,
Além da sombra,
Do espantalho:

Um reflexo,
Ou... o nada...
(Este sim, era real...)

Conselhos de Uma Senhora

Leiam! Vale a pena!


Conselhos de Uma Senhora


Dona Maria era uma senhora de 92 anos, elegante, bem vestida e penteada.
Estava de mudança para uma casa de repouso, pois o marido com quem vivera 70 anos, havia morrido e ela ficara só.

Depois de esperar pacientemente por duas horas na sala de visitas, ela ainda deu um lindo sorriso
quando uma atendente veio dizer que seu quarto estava pronto.

A caminho da sua nova morada, a atendente ia descrevendo o minúsculo quartinho,
inclusive as cortinas de chintz florido que enfeitavam a janela.

Ah! Eu adoro essas cortinas – disse ela com entusiasmo de uma garotinha que acabou de ganhar um filhote de cachorrinho.

- Mas a senhora ainda nem viu o quarto...

Nem preciso ver – respondeu ela.
Felicidade é uma decisão que tomo todo dia quando acordo.
- E eu já decidi que vou adorar!
É uma decisão que tomo todo dia quando acordo.

Sabe... Tenho duas escolhas: posso passar o dia inteiro na cama contando as dificuldades que tenho em certas partes do meu corpo
que não funcionam bem...
Ou posso levantar da cama agradecendo pelas outras partes que ainda me obedecem.

Cada dia é um presente.
E enquanto meus olhos abrirem, vou focalizá-los no novo dia e também nas boas lembranças que eu guardei para esta época da vida.

A velhice é como uma conta bancária.
Você só retira daquilo que você guardou.

Portanto, lhe aconselho depositar um monte de alegria e felicidade na sua Conta de Lembranças.
E como você vê, eu ainda continuo depositando.
Agora, se me permite, gostaria de lhe dar uma receita:

1. Jogue fora todos os números não essenciais para sua sobrevivência.
Isso inclui idade, peso e altura.
Deixe o médico se preocupar com eles. Para isso ele é pago.

2. Dê preferência aos amigos alegres. Os "baixo astral" puxam você para baixo.

3. Continue aprendendo. Aprenda mais sobre computador, artesanato, jardinagem,
qualquer coisa. Não deixe seu cérebro desocupado.
Uma mente sem uso é a oficina do Mal.
E o nome do mal é Alzheimer.

4. Curta coisas simples.

5. Ria sempre, muito e alto. Ria até perder o fôlego.

6. Lágrimas acontecem. Agüente, sofra e siga em frente.
A única pessoa que acompanha você a vida toda é VOCÊ mesmo.
Esteja VIVO enquanto você viver.

7. Esteja sempre rodeado daquilo que você gosta.
Pode ser família, animais, lembranças, música, plantas, um hobby, o que for.
Seu lar é o seu refúgio.

8. Aproveite sua saúde. Se for boa, preserve-a.
Se estiver instável, melhore-a. Se estiver abaixo desse nível, peça ajuda.

9. Não faça viagens de remorsos. Viaje para o shopping, para a cidade vizinha, para um país
estrangeiro, mas não faça viagens ao passado.

10. Diga a quem você ama, que você realmente o ama, em todas as oportunidades.

E lembre-se sempre que: A vida não é medida pelo número de vezes que você respirou,
mas pelos momentos em que você perdeu o fôlego...


De tanto rir...

De surpresa...

De êxtase...

De felicidade!

Teste sua idade MENTAL


FONTE: http://www.idanou-se...ade-mental.html


-x-

I-Aperte a opção Start

II- aguarde pelo 3, 2, 1

III- Memorize a posição dos números e clique nos
círculos em branco que representa o número, sempre do menor para o maior número.
Nota: Comece com o ZERO se ele estiver presente.

IV- Quando acabar o programa vai calcular e dizer a idade do seu cérebro.

Na 1ª vez que fiz deu 55. Ganhei 3 aninhos!

Depois você vai se aprimorando.É bem fácil.

Hula-hula


Eu (de óculos e barba) e Richard (meu fllho mais velho)

by Robério Matos


 

Dicas Para Escrever Bem


Autor: Professor João Pedro da UNICAMP



1. Deve evitar ao máx. a utiliz. de abrev., etc.

2. É desnecessário fazer-se empregar de um estilo de escrita demasiadamente rebuscado. Tal prática advém de esmero excessivo que raia o exibicionismo narcisístico.

3. Anule aliterações altamente abusivas.

4. não esqueça as maiúsculas no inicio das frases.

5. Evite lugares-comuns como o diabo foge da cruz.

6. O uso de parêntesis (mesmo quando for relevante) é desnecessário.

7. Estrangeirismos estão out; palavras de origem portuguesa estão in.

8. Evite o emprego de gíria, mesmo que pareça nice, sacou??...então valeu!

9. Palavras de baixo calão, porra, podem transformar o seu texto numa merda.

10. Nunca generalize: generalizar é um erro em todas as situações.

11. Evite repetir a mesma palavra pois essa palavra vai ficar uma palavra repetitiva. A repetição da palavra vai fazer com que a palavra repetida desqualifique o texto onde a palavra se encontra repetida.

12. Não abuse das citações. Como costuma dizer um amigo meu: "Quem cita os outros não tem idéias próprias".

13. Frases incompletas podem causar

14. Não seja redundante, não é preciso dizer a mesma coisa de formas diferentes; isto é, basta mencionar cada argumento uma só vez, ou por outras palavras, não repita a mesma idéia várias vezes.

15. Seja mais ou menos específico.

16. Frases com apenas uma palavra? Jamais!

17. A voz passiva deve ser evitada.

18. Utilize a pontuação corretamente o ponto e a vírgula pois a frase poderá ficar sem sentido especialmente será que ninguém mais sabe utilizar o ponto de interrogação

19. Quem precisa de perguntas retóricas?

20. Conforme recomenda a A.G.O.P, nunca use siglas desconhecidas.

21. Exagerar é cem milhões de vezes pior do que a moderação.

22. Evite mesóclises. Repita comigo: "mesóclises: evitá-las-ei!"

23. Analogias na escrita são tão úteis quanto chifres numa galinha.

24. Não abuse das exclamações! Nunca!!! O seu texto fica horrível!!!!!

25. Evite frases exageradamente longas pois estas dificultam a compreensão da idéia nelas contida e, por conterem mais que uma idéia central, o que nem sempre torna o seu conteúdo acessível, forçam, desta forma, o pobre leitor a separá-la nos seus diversos componentes de forma a torná-las compreensíveis, o que não deveria ser, afinal de contas, parte do processo da leitura, hábito que devemos estimular através do uso de frases mais curtas.

26. Cuidado com a hortografia, para não estrupar a língúa portuguêza.

27. Seja incisivo e coerente, ou não.

28. Não fique escrevendo (nem falando) no gerúndio. Você vai estar deixando seu texto pobre e estar causando ambigüidade, com certeza você vai estar deixando o conteúdo esquisito, vai estar ficando com a sensação de que as coisas ainda estão acontecendo. E como você vai estar lendo este texto, tenho certeza que você vai estar prestando atenção e vai estar repassando aos seus amigos, que vão estar entendendo e vão estar pensando em não estar falando desta maneira irritante.

29. Outra barbaridade que tu deves evitar chê, é usar muitas expressões que acabem por denunciar a região onde tu moras, carajo! ..nada de mandar esse trem...vixi..entendeu bichinho?

30. Não permita que seu texto acabe por rimar, porque senão ninguém irá aguentar já que é insuportável o mesmo final escutar, o tempo todo sem parar.

De tudo, ficaram três coisas:


(Fernando Pessoa)


A certeza de que estamos sempre começando...
A certeza de que é preciso continuar...
A certeza de que seremos interrompidos antes de terminar...

Portanto, devemos:

Fazer da interrupção um caminho novo...
Da queda, um passo de dança...
Do medo, uma escada...
Do sonho, uma ponte...
Da procura, um encontro...

Vejo Você

Imagem
(imagem GOOGLE)



by Robério Matos


Nos altiplanos da tua rara beatitude
Brotando nua como uma plântula
Entre ásperos e selvagens espinhos
Sem carecer de esforço ou atitude.

Vejo você oscilando tal o pêndulo
Que atordoa e me instiga frenesi
E qual desprezando a minha lascívia,
Do todo se apodera e tudo quer pra si.

A estibordo da relutância do meu ser
E à destra do meu instinto primitivo
Ainda que volva minha face, vejo você

Que não me nota e ignora-me a paixão
E da tua excrescência e fulgor altivo
Desdenha, incita-me e aguça meu tesão.

Apenas


by Robério Matos

Não corro
Apenas ando
Não durmo
Apenas deito
Não posso
Apenas quero
Não vou
Apenas espero
Não rezo
Apenas creio
Não tenho
Apenas peço
Não respiro
Apenas fumo
Não como
Apenas bebo
Não vejo
Apenas sinto
Não beijo
Apenas desejo
Não amo
Apenas suspiro
Não vivo
Apenas respiro.

Morte colombina


by Robério Matos


Esta alegre quarta-feira
de cinzas, e de cansaços,
não mais os traços
da festiva brincadeira.

Dentre todos os palhaços
que cantam, dizendo asneiras,
só este não há quem queira
para aninhar em seus braços.

Só tu, Morte, colombina
da festa definitiva,
que me sorri, me fascina.

Sê, pois, cortesã lasciva,
da festa definitiva,
mão que pousa sobre mim.

O idiota


(autor desconhecido)


Conta-se que numa pequena cidade do interior um grupo de pessoas se divertia com o idiota da aldeia.
Um pobre coitado de pouca inteligência, que vivia de pequenos biscates e esmolas.

Diariamente eles chamavam o bobo ao bar onde se reuniam e ofereciam a ele a escolha entre duas moedas:
uma grande de 400 réis e outra menor, de 2.000 réis.

Ele sempre escolhia a maior e menos valiosa, o que era motivo de risos para todos.

Certo dia, um dos membros do grupo chamou-o e lhe perguntou se
ainda não havia percebido que a moeda maior valia menos.

Eu sei - respondeu o não tão tolo assim "ela vale 5 vezes menos, mas no
dia que eu escolher a outra, a brincadeira acaba e não vou mais ganhar minha moeda."

Pode-se tirar várias conclusões dessa pequena narrativa.
A primeira: quem parece idiota, nem sempre é. Dito em forma de pergunta: Quais
eram os verdadeiros tolos da história?

Outra: se você for ganancioso, acaba estragando sua fonte de renda.
Mas a conclusão mais interessante, a meu ver, é a percepção de que podemos estar bem
mesmo quando os outros não têm uma boa opinião ao nosso respeito.